terça-feira, 12 de maio de 2020

Perguntas e Respostas [Spin Magazine]

Matéria traduzida da Spin Magazine.

Perguntas e Respostas: Incubus fala sobre novo EP, teorias da conspiração e o Darwin Award deste ano.


"Vocês saíram da toca do coelho em alguma dessas teorias da conspiração?" Sua marca registrada, cabelos compridos amarrados em um coque, o vocalista do Incubus, Brandon Boyd, faz uma pergunta para o resto de seus colegas de banda em nossa ligação no Zoom. O resto dos caras - o guitarrista Mike Einziger, o baterista Jose Pasillas, o baixista Ben Kenney e o DJ Chris Kilmore - murmuram algumas variações de "sim" ou "não".

Pasillas balança a cabeça, rindo: "Não tenho tempo para essa merda".

"Há uma incrível ginástica mental acontecendo", reflete Boyd lentamente. “De uma perspectiva psicológica, existe alguma justificativa para as pessoas que pegam elementos desiguais em um só lugar para chegarem a uma forma de teoria, e o fato de não termos uma resposta centralizada e não sabemos em quem devemos confiar, e tudo está tão no ar e caótico, faz sentido que as teorias da conspiração floresçam em um ambiente como esse.”

Como milhares de outras pessoas em todo o país, o Incubus foi forçado a colocar suas vidas na espera enquanto a pandemia do coronavírus continua. Até o momento, as datas da turnê de verão com os colegas de rock dos anos 2000 ainda não foram canceladas, mas Einziger parece incerto se permanecerá assim. "Existe muita movimentação” diz ele.  "Estamos em modo de espera para ver o que vai acontecer, mas tomaremos a decisão que melhor se adequa a nós e nossos fãs. E ao mundo."

O momento é certamente infeliz - no ano passado, estavam comemorando o 20º aniversário de sua estréia de 1999, Make Yourself, com uma turnê extensa e nostálgica. Incluindo ainda mais sua reminiscência da virada do século, a turnê dupla do Incubus com 311 visa celebrar a primeira vez que os dois artistas se uniram em 20 anos - sem mencionar o trigésimo ano do Omaha como banda.

Além disso, o Incubus lançou o Trust Fall (Side B) em abril  um EP curtinho de cinco músicas que mistura hard rock, funk e eletrônico com a mesma perfeição que os primeiros lançamentos da banda, bem como o jogo de palavras filosofalista de Boyd. Em quarentena, os caras do Incubus conversaram com a SPIN de suas casas no sul da Califórnia sobre como estão se mantendo presos, por que existem teorias da conspiração e se eles farão ou não uma turnê de aniversário do Morning View de 2001.


Até que ponto vocês conseguem entrar na mesma sala, se é que isso existe?

Mike Einziger: Sim, não estamos fazendo isso no momento. Estamos todos em casa, e é realmente divertido, porque estamos colaborando apenas na superestrada da informação.

Brandon Boyd: Você sabe o interessante é que o modo como colaboramos durante esse bloqueio não é muito diferente do que normalmente fazemos, antes de entrarmos juntos numa sala. Às vezes, começamos a trabalhar dessa maneira, mas muitas vezes começamos a enviar idéias de um lado para outro apenas através de arquivos de MP3, anotações de voz ou telefonemas com alguém, tipo: “Veja isto! La la la la la la la la [risos].”  Então, eventualmente, vamos ao estúdio.

Mas provavelmente posso falar por todos quando digo que gostaríamos de entrar juntos no estúdio. Mas acho que não confiamos um no outro o suficiente. Somos um bando de caras sujos, sem lavar as mãos. (Risos)

Einziger: Sim, acabamos de fazer um vídeo em que gravamos todas as partes de áudio, uma em cima da outra, de um lado para o outro.

E quando vocês não estão fazendo música? O que vocês têm feito para passar o tempo em quarentena?

Einziger: Eu tenho filhas gêmeas que têm quase três anos e são muito divertidas.  Isso mostrou uma oportunidade única de poder passar muito mais tempo com elas do que eu seria capaz. Eu sou um pai super duro e tem sido muito divertido. Jardinagem e culinária, o que é ótimo, porque não pedimos comida e tentamos ir ao supermercado o mínimo possível. Eu tenho me tornado muito bom em cozinhar pad thai. Essa é a minha coisa nova.

Voltando a 2015, vocês podem me falar sobre a criação do primeiro EP Trust Fall?

Boyd: Quando começamos a Trust Fall (Lado A), não tínhamos planejado escrever e gravar, e então uma daquelas salas no complexo de Hans [Zimmer] ficou disponível. Certo, Mike?

Einziger: Sim, na verdade não tínhamos planos naquele momento, e começamos a nos reunir para fazer música. Aconteceu naturalmente, e como um espaço de estúdio que de outra forma não estaria disponível se tornou disponível, essa foi uma oportunidade única. Então, todos nós meio que nos juntamos e foi isso que se tornou esse EP.

Boyd: E então o Trust Fall (Lado B) emergiu de um espaço que criamos e se tornou disponível para nós, ao invés de pegar esmprestado ou pagar por um espaço, por tanto tempo. Na história dessa banda, sempre confiamos na disponibilidade de lugares - seja em um estúdio de ensaio ou em uma sala de estar em uma casa que alugamos ou algo assim. Mas, na verdade, acabamos criando um espaço no vale de San Fernando e como um lugar que acabamos de chegar. Criamos tipo um horário de trabalho, cinco dias por semana, e entramos lá e apenas escrevíamos.

É interessante porque sei que muitas bandas podem se relacionar com essa ideia de ter seu espaço para fazer música. É parte da razão pela qual, na minha opinião, a música eletrônica se tornou tão popular e tão acessível - porque elimina a necessidade de um estúdio de ensaio. Você pode fazer músicas que todos possam ouvir, colocando o laptop na sala de estar. Agora estamos oficialmente na velha escola, no sentido de que gostamos, conectamos guitarras, microfones e outras coisas e fazemos muito barulho quando estamos fazendo o que estamos fazendo [Risos].  Portanto, é necessário uma sala que tenha um nível relativo de isolamento acústico e que não perturbe outras pessoas.

Ben Kenney: E nenhum de nossos pais nos deixará mais usar a garagem deles.

Houve alguma discussão sobre por que vocês fariam dois EPs, ao invés de um LP?

Chris Kilmore: Sim, eu tenho uma teoria sobre isso. Quando começamos o Trust Fall [Lado A], estávamos entre gravadoras. Acabamos de sair da Epic e ainda não tínhamos contrato com a Island. Nós estávamos fazendo isso sozinhos. Então, acho que quando fomos deixados por nossa conta sem uma gravadora dizendo: "Precisamos de um álbum completo" - quem sabe o que sai de nós? Qualquer coisa.

Então, esse primeiro objetivo foi o Trust Fall [Lado A].  Sempre quisemos fazer o [lado B] e, anos depois, nos encontramos na mesma situação. Estávamos fora da Island e estavamos em lugares intermediários e tínhamos nosso próprio espaço. Então nos juntamos e começamos a escrever músicas. E eu acho que para nós, pensamos que era uma boa oportunidade para terminar o Side B, e nos encontramos em um lugar semelhante em relação às gravadoras.

Boyd: Também existe um fato geral em nossa banda sobre a maneira como as pessoas consomem música agora. A maioria das pessoas nem sequer escuta um álbum inteiro, e muito menos compra um álbum. Portanto, a conscientização do mercado em que estamos atuando é parte da decisão de liberar materiais mais curtos. Ao fazer dois lados de um EP, estamos meio que fazendo nosso bolo e comendo também. Acho que somos construídos como um grupo de LPs, pois somos, mais uma vez, decididamente antigos. Sei que gosto de pensar de forma mais longa, mas também entendo que a maioria das pessoas não digere mais músicas dessa maneira.

E o nome “Trust Fall” parecia certo o suficiente para se sustentar por cinco anos?

Boyd: Acho que me encontrei em um momento da vida em que estava tendo problemas para avançar da maneira que tinha avançado anteriormente. E cheguei a um entendimento, essencialmente como uma experiência psicodélica, de que a única maneira de conseguir seguir adiante com sucesso era me virar e me render em um processo que era maior que eu. Fazer isso parecia um exercício de queda da confiança da velha escola. Mas era o que estava acontecendo de uma maneira psicológica e espiritual.

Certo. Sei que isso foi escrito bem antes da situação atual em que nos encontramos, mas esse sentimento certamente se aplica agora, mais do que nunca, em um sentido universal.

Boyd: Sim, podemos relacionar isso diretamente com a situação atual. Você sabe, colete o máximo de informações disponíveis, o melhor possível, mas depois de um certo ponto, apenas um pensamento linear poderá levá-lo aonde você precisa. Há sempre um momento em que você terá que se render a um processo maior e dizer "Aqui vamos nós!" Como o jovem pássaro pulando do ninho [risos]. Eventualmente, você precisa fazer isso - para que seu ninho não se torne um lugar podre e repugnante, onde nada vive.

E não estou falando para sair de casa antes do que deveríamos. Espero que as pessoas sejam mais cautelosas do que apenas: “Vamos fazer tudo voltar a funcionar", só porque estamos cansados ​​de estar em casa. Ainda não é uma razão suficiente para fazer isso, na minha opinião.

Algumas figuras públicas responderam a essa crise postando vídeos colaborativos bastante emotivos, que parecem um pouco surdos. Enquanto o público aparece, qual você acha que é a maneira mais clássica de alcançar seus fãs e seguidores?

Einziger: É realmente apenas uma conexão com as pessoas. Se você é legal e suas intenções são boas e gentis, não acho que as outras coisas sejam necessariamente problemas, por si só.

Boyd: Vivemos um tempo de cultura de destaque e enormes desigualdades culturais, e a Internet meio que nivelou o campo de jogo no que diz respeito às percepções. Então, você pode ter uma pessoa vendo celebridades cantando “Imagine” e sendo tocada por ela, e então você pode ter um monte de outras pessoas por aí como, “Que porra é essa?  Isso é um cavalo na sala de estar? Eu moro em uma caixa de sapatos! E você tem que levar essas coisas em consideração. Desculpe, Mike, eu te interrompi. Continue.

Einziger: Não, eu estava dando a minha opinião positiva e cor de rosa sobre ser gentil [risos]. E, você sabe, você está absolutamente certo. As pessoas interpretam as coisas de maneiras totalmente diferentes e, mesmo que suas intenções sejam ótimas, às vezes não é assim que suas intenções são recebidas. Para melhor ou para pior, é assim que o mundo é.

Boyd: É um momento maravilhoso para as pessoas - usarei o eufemismo, pessoas de recursos específicos - é realmente um bom momento para usar alguns desses recursos para ajudar o melhor possível.  Não apenas seja bem-intencionado, mas tente mover a agulha um pouco. Sei que, quando mostramos algo, tentamos o nosso melhor - não apenas com boas intenções, mas com maiores intenções de gostar de arrecadar dinheiro. Nós arrecadamos um monte de dinheiro para o No Kid Hungry no lançamento do nosso EP.  E acho que quando pessoas de recursos específicos podem fazer coisas que beneficiarão outras pessoas que não sejam elas mesmas ou seus próprios egos frágeis, acho que provavelmente é uma boa jogada a se fazer agora. Eu também acho que precisamos aliviar as pessoas que são meramente bem-intencionadas, sabe?

Com certeza. Falando nos planos de turnê um pouco - sei que recentemente vocês tiveram que adiar algumas datas no exterior devido à pandemia. Até agora, a turnê de verão com 311 ainda está programada para começar em julho. Vocês acham que realmente conseguirão pegar a estrada até lá?

Einziger: Ainda não anunciamos ou mudamos formalmente nada. Porque existem muitos fatores e questões nessa situação que estão muito além do nosso controle. Nossa prioridade mais importante é realmente a segurança, por isso, se houver algum problema de segurança - o que parece haver -, isso será prioridade para nós. Mas sim, existem muitas coisas em movimento. Estamos em modo de espera para ver o que vai acontecer, mas tomaremos a decisão que melhor se adequa a nós, nossos fãs e o mundo. Definitivamente, não queremos representar nenhum tipo de perigo para as pessoas.

Boyd: Não queremos ser o notório Mike Pence da Mayo Clinic.

Einziger: Ele ganhou um prêmio Darwin por isso [risos].

Boyd: O que diabos você está fazendo [risos]? Além da ótica disso ...

Einziger: Na liderança geral - nem todos - existem algumas boas decisões sendo tomadas por aí, mas cara.

Boyd: Mas não do alto escalão [risos].

Einziger: Sim. Os prêmios Darwin estão sendo distribuídos no momento. Pessoas estão morrendo. É tudo tão fodido, cara.

Também há a dor de as pessoas não poderem trabalhar, pagar suas contas e sustentar suas famílias, o que é uma posição horrível para se estar. Portanto, é como, na perspectiva deles, eles estão esperando que isso acabe. E há também uma perspectiva científica, que, se não for entendida, a coisa toda é uma conspiração. Se você realmente não entende o que está acontecendo do ponto de vista científico, isso parece uma teoria da conspiração para algumas pessoas, o que é bastante lamentável, porque realmente custará a vida das pessoas.


Sabe, eu adorei ver vocês tocarem o Make Yourself na íntegra no Greek Theater no ano passado. Supondo que os artistas possam tocar grandes shows ao vivo novamente no próximo ano - vocês fariam uma turnê de aniversário do Morning View em 2021?

Boyd: Seria muito divertido fazer uma turnê do Morning View. Acho que fizemos uma vez, não é?  Naquele espaço artístico de La Brea? Não tocamos o Morning View inteiro?  [O grupo confirma "sim".]

O que foi incrível para mim no Make Yourself e tocá-lo 40 e poucas vezes... Havia tantas coisas legais nisso, mas não menos importante é que era divertido todas as noites tocar esse álbum do início ao fim. Temos outros álbuns que não são tão divertidos de tocar do começo ao fim. Existem certas músicas, tipo "Ugh, Deus, aqui vamos nós com esta".  É ótimo termos feito algo há mais de 20 anos que ainda é agradável de executar. E então, obviamente, eu acho que é óbvio que é incrível levar essa experiência a tantos lugares diferentes e fazer com que o público fique feliz em ouvir um disco com mais de 20 anos de idade e muito entusiasmado por ter essa experiência com a gente. Não pode ser exagerado o suficiente. Foi uma coisa muito, muito especial. Estou feliz por você estar no Greek Theater.  Lembro daquele show ter sido muito divertido.

Kenney: Oh Deus, eu sinto muita falta de shows agora.

sexta-feira, 24 de abril de 2020

Brandon fala sobre o EP novo, quarentena e mais

Entrevista com Brandon para a Atwood Magazine!



O vocalista do Incubus, Brandon Boyd, discute a empolgante carreira de 30 anos da banda e a inspiração e energia por trás do novo EP 'Trust Fall (Side B)' - um disco animado e espirituoso que começa da maneira certa.

O que quer que o amanhã traga, o Incubus estará lá. Ativa por três décadas, a banda cuja música dominou as primeiras décadas continua sendo a base do mundo alternativo atual. Recentemente independentes e saindo da turnê ‘Make Yourself 20th Anniversary’ de 2019, o Incubus retornou com vigor - começando a nova década com seu próprio estúdio e um novo disco que bate da maneira certa.





Lançado em 17 de abril, o ‘Trust Fall - Side B’ de cinco faixas, leva os ouvintes a uma jornada refrescante de vinte minutos através de conexão, presença e vulnerabilidade. Conectando emoção e experiência, as músicas do Incubus tocam os altos e baixos da vida com energia animada: revitalizado e renovado, 2020 marca uma nova era para o Incubus, que embarca em sua quarta década juntos, fazendo o que fazem de melhor.


Formado em 1991 em Calabasas, Califórnia, o Incubus ganhou destaque no final dos anos 90 como parte da cena alternativa e nu metal. Eles encontraram o sucesso principal com o terceiro álbum de estúdio, de 1999, o ‘Make Yourself’, que gerou um disco duplo de platina com sucessos como: "Pardon Me", "Stellar" e "Drive" - ​​a última continua sendo a música de maior sucesso da banda até hoje.

Os anos seguintes geraram muitos álbuns de estúdio, EPs, hits e turnês, com o Incubus constantemente se reinventando ao longo do caminho.

Do metal e rock ao eletrônico, funk, jazz, hip-hop, grunge e outros, a banda não se adapta necessariamente às principais tendências do momento, tanto que segue sua própria bússola - com isso, permaneceram pioneiros incansáveis ​​ao longo de uma impressionante carreira de décadas.

A formação de longa data da Incubus consiste em Brandon Boyd, Mike Einziger, José Pasillas, Chris Kilmore e Ben Kenney.  O vocalista Boyd atesta que a longevidade de sua banda é uma combinação de dedicação, respeito mútuo e camaradagem: “Se entendemos alguma coisa coletivamente, é que qualquer sucesso ou qualquer tipo de objetivo em que qualquer um de nós se depara irá informar o processo maior de nossa da banda, juntos”, ele disse à Atwood Magazine, “então nós meio que nos abraçamos em momentos em que cada um de nós tem sucessos individuais, e isso definitivamente nos ajudou em nossa longevidade”.

‘Trust Fall - Side B’ chega como o registro complementar do ‘Trust Fall - Side A’ um EP de quatro faixas lançado em 2015. “Eu estava meio que me inclinando para esse momento, eu suponho, intelectualmente e / ou espiritualmente, onde eu sabia que se eu continuasse a seguir na direção criativa que queria, teria que me virar e meio que cair de novo no tipo de braços metafóricos de um processo que é muito maior que eu”, Boyd diz da inspiração desse primeiro disco.

Os dois EPs do Trust Fall são vinculados de forma temática e sonora, independentemente, do Incubus ter ou não esse objetivo. “Não foi necessariamente intencional", diz Boyd.  "Temos intenções com o que fazemos, mas é difícil definir. Na verdade, essas intenções se revelam muito tempo depois do fato. Então, estamos fazendo o que estamos fazendo, sem muita experiência do que estamos fazendo - com as mãos estendidas à nossa frente em uma sala com pouca luz, procurando um interruptor de luz.  As vezes a encontramos e é tipo, caramba, isso parece incrível!  E às vezes é como, sim, não. Estamos apenas fazendo o possível para encontrar esse interruptor ".

"As boas notícias são que, como banda, acho que, se alguma vez ficássemos bons em alguma coisa, isso seria sem nenhuma aptidão especifica”. comenta Boyd. 

Lançado em meio à pandemia global do COVID-19, o ‘Trust Fall - Side B’ ressoa com paixão e fervor empolgantes.

É um ataque de paixão e intenso rock alternativo que parece surpreendentemente presente no momento. O som do Incubus rejuvenesceu em músicas como a assustadoramente oportuna “Karma, Come Back" e a sincera canção de amor "Our Love".  A banda evoca sons do passado em sua ensolarada e nostálgica “Into the Summer", e eles capturam um belo fechamento do EP com a solene "Paper Cuts". Acima de tudo, o Incubus está no seu elemento na impressionante "On Without Me", um hino pesado que já atingiu a comunidade de fãs da banda.

Sem dúvida, o Incubus aproveitou um novo pool de criatividade no ‘Trust Fall - Side B’ seu amor e compromisso constante com o trabalho deles valeram a pena neste novo EP, uma escuta obrigatória para os fãs de longa data do Incubus e para os iniciantes.

Claro, eles estão fazendo coisas sem muita experiência e estão fazendo isso com estilo.

A Atwood Magazine conversou com o vocalista do Incubus, Brandon Boyd, sobre a formidável carreira de trinta anos da banda, suas inspirações e a energia refrescante por trás do novo EP ‘Trust Fall - Side B’.

UMA CONVERSA COM O INCUBUS

REVISTA ATWOOD: MUITO OBRIGADO PELO SEU TEMPO BRANDON. EU REALMENTE AGRACEÇO E PARABENIZO PELO LANÇAMENTO DO EP. ONDE VOCÊ ESTA AGORA E O QUE A BANDA TEM FEITO?

Brandon Boyd: O prazer é meu, obrigado também! Estou em casa em Los Angeles. Todo mundo está indo bem, considerando as circunstâncias. Obviamente, nenhum de nós jamais viu algo assim ou experimentou algo assim antes, então todos nós estamos vivendo experiência nova, eu acho.

A boa notícia é que, como banda, acho que, se alguma vez ficássemos bons em alguma coisa, seria sem uma habilidade especifica. Somos um grupo bastante adaptável, e somos unidades bastante adaptáveis. O que acontece com a gente, você sabe, é que a principal maneira de levarmos música para as pessoas ao longo da carreira é aparecer e chamar o maior número possível de pessoas para espaços confinados, onde todos ficam suados e se espremem, então acontece que teremos que continuar a nos adaptar às circunstâncias atuais para continuar avançando. Então, estamos fazendo o nosso melhor. No entanto, estamos realmente empolgados em ter novas músicas;  Eu acho que é um ótimo momento para as pessoas poderem usar a música em qualquer forma que se comunique, seja uma forma de fuga ou uma maneira de se introspectar e se voltar para dentro.

SIM, ISSO AFETA A TODOS DE MANEIRAS DIFERENTES. CONHEÇO ALGUNS ARTISTAS QUE PASSARAM AS ÚLTIMAS SEMANAS EM CASA LITERALMENTE  CRIANDO SEUS PRÓXIMOS ÁLBUNS. VOCÊ ACHA QUE OS MOMENTOS CRIATIVOS ESTÃO FLUINDO PARA VOCÊ NESSE TEMPO?

Boyd: Muito mesmo. Não é tão simples tipo: estou em casa, vou escrever uma múdica. Há partes disso para mim que estão definitivamente em jogo. Mas acho que o que tenho vivido - e antes mesmo de dizer o que estou prestes a dizer, vou prefaciar isso dizendo que me sinto incrivelmente abençoado por poder ficar em casa em uma situação como esta; existem muitas pessoas por aí, e eu conheço algumas delas, que não têm a opção de ficar em casa ou alguns seus empregos são considerados essenciais. E muitas dessas pessoas estão felizes em ir trabalhar, para que possam manter sua renda fluindo. Mas antes de tudo, sou eternamente grato às pessoas que sei que estão fazendo isso, e a todos os outros no mundo que estão fazendo o mesmo.

Mas sim, me sinto muito abençoado por poder ficar em casa. E assim, minha experiência até agora tem sido um tipo de casulo. Eu tenho lido muito; Não tenho TV a cabo e não sigo as principais fontes de mídia. Então, eu recebo minhas informações de diferentes áreas e tenho lido muito; Aprendi a cozinhar muito melhor - eu já pretendia fazer isso há muito tempo! Toco muito violão, aprendi muitas músicas, pintei muito, me relacionei com minha família e alguns amigos de maneiras que nunca tive a oportunidade. Portanto, definitivamente existem algumas vantagens nessa experiência.

É A PARTE BOA, CERTAMENTE. TEMOS A HUMILDADE DE RECONHECER QUE TODOS NÃO PODEM PASSAR POR ISSO DESTA MANEIRA.  QUANDO NOSSOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NOS DIZEM QUE A MELHOR COISA QUE PODEMOS FAZER É FICAR EM CASA, PRECISAMOS FAZER A NOSSA PARTE.

Boyd: É.

EU ESTAVA ME PERGUNTANDO SE PODERÍAMOS LEVAR UM TEMPO PARA CONVERSAR SOBRE A CARREIRA IMPRESSIONANTE DO INCUBUS.
SUA BANDA TEM SIDO ATIVA POR TRÊS DÉCADAS: COMO MANTER A INSPIRAÇÃO E A ENERGIA FLUINDO POR TANTO TEMPO?

Boyd: Essa é uma pergunta muito boa.  Não sei se tenho uma resposta definitiva para você, mas estou ciente de certas coisas que temos feito esse tempo todo, e algumas dessas coisas são que permitimos momentos de foco realmente intenso - seja em composição, turnê ou performance ao vivo - e passamos por períodos em que às vezes uma turnê dura 18 meses, e nos dedicamos completamente a isso.

E outra coisa que fazemos quando terminamos com esse tipo de ciclo é dar um ao outro espaço para deixar a coisa dormir por um tempo. Em seguida, permitimos que ele acorde naturalmente, em vez de ressuscitá-lo com algum tipo de mecanismo de suporte à vida. Tivemos períodos na banda em que lutamos tanto criativa quanto interpessoalmente. E até tivemos um período em que pensamos que não sobreviveríamos mais um mês, e nossa resposta para isso foi conversar e nos comunicar da melhor maneira possível, e então dar a esse espaço algum espaço - como deixar respirar - e, ao fazer isso, permitimos que ocorresse um tipo de ritmo natural, eu acho.

Então essa é definitivamente uma das coisas que eu acho que serviu à nossa longevidade. Eu também acho que cada um de nós é individualmente muito criativo e curioso. Então, todo mundo tem atividades criativas individuais e cada um de nós incentiva essas coisas um no outro. Então eu acho que talvez se entendemos alguma coisa coletivamente, é que qualquer sucesso ou qualquer tipo de objetivo com o qual qualquer um de nós se depara, dê informações sobre o processo maior de nossa banda juntos, então nos abraçamos em momentos onde cada um de nós tem sucessos individuais, e isso definitivamente nos ajudou em nossa longevidade.

COMO VOCÊ DESCREVERIA ESSA ÚLTIMA INTERAÇÃO DO INCUBUS COM AS MÚSICAS DO ‘TRUST FALL - SIDE B’?

Boyd: Este foi um processo interessante para nós, porque, definitivamente, não é o primeiro, nem o segundo, nem o terceiro, nem o quarto, nem o quinto, nem o sexto, nem o sétimo, nem o oitavo! Fazemos isso, como você disse, há quase 30 anos e cada vez é um pouco diferente: é um pouco diferente na maneira como abordamos. Definitivamente, existem consistências e linhas, com a maneira como fazemos as coisas, mas uma coisa que foi diferente desta vez foi que finalmente - depois de conversarmos sobre isso por 15 anos - conseguimos nosso próprio lugar de ensaiar, escrever e estúdio de gravação: um lugar só nosso.

Alguns de nós chamam de Cobra Kai;  Eu chamo de sala da banda. Eu gosto de manter as coisas meio humildes, mas é meio que amorosamente chamado de Cobra Kai, onde não há piedade - porque fica nas profundezas do vale de San Fernando, por isso definitivamente invoca as vibrações do Karate Kid.

Então, entramos lá e fomos capazes de ajustar tudo de acordo com nossas necessidades e desejos individuais. É relativamente perto de todo mundo, e vamos lá, escrevemos, ensaiamos, brincamos e rimos, e rimos, e lamentamos, esmagamos nossas cabeças e criamos coisas! É algo que deveríamos ter feito quinze anos atrás;  nós apenas estivemos muito ocupados em turnê e saindo de turnê, e nos preparando para sair em turnê, e todas essas coisas, sabe? Finalmente conseguimos espaço, e foi uma das melhores coisas que já fizemos. Ao dizer tudo isso, acho que criamos um ambiente que estava chamando um novo tipo de criatividade para nós, e esse EP é realmente o primeiro vislumbre do que é isso. Haverá muito mais música!

NÃO SOMENTE VOCÊS TEM UM ESPAÇO DE ESTÚDIO, MAS O INCUBUS TAMBÉM É INDEPENDENTE AGORA. ESSAS DUAS COISAS COMBINADAS, FAZEM UMA NOVA ERA. PARECE QUE É UMA NOVA ERA PARA VOCÊS, ALÉM DE SER O COMEÇO DE 2020?

Boyd: Sim, definitivamente. Fizemos a rota mais tradicional com gravadoras por 20 e poucos anos e com muito sucesso!  
Como o paradigma da gravadora da velha escola era muito bom para nós, na maior parte; nós definitivamente tivemos nossos desentendimentos com as partes mais escuras, o que é meio inevitável… Mas acho que fizemos o possível para superar esses momentos sombrios, e chegamos a cheirar a rosas, mas quando chegamos de volta e era tipo, "Ei, é hora de lançar algumas músicas novas", para todos nós coletivamente, foi uma decisão muito fácil dizer que não queremos mais estar em uma grande gravadora. Acho que isso não faz mais parte do karma padrão.  Até agora, essa nova abordagem independente tem sido realmente fantástica e muito, muito divertida e muito importante.

NOS ANOS 90, NÃO HAVIA NECESSARIAMENTE UMA OPÇÃO DE NÃO ESTAR EM UMA GRAVADORA SE VOCÊ PRETENDIA FAZER UMA CARREIRA COMPLETA AO LONGO DA VIDA. O FATO IMPORTANTE É QUE ESSE É UM MUNDO NOVO AGORA EM 2020, EM RELAÇÃO AO QUE VOCÊ PODE FAZER E O PÚBLICO QUE VOCÊ PODE ATINGIR SEM ESSA PRESSÃO.

Boyd: Na verdade, começamos como uma banda independente no início dos anos 90! As primeiras músicas que lançamos foi num disco independente chamado ‘Fungus Amongus’, e vendemos todas as 1000 cópias - imprimimos 1000 cópias e vendemos 1000 cópias!

E ISSO PARECE MUITO!

Boyd: Foi uma vitória para nós, mas me deixe dizer que foi difícil vender 1000 cópias. Quando começamos a trabalhar com uma grande gravadora, foi definitivamente empolgante e um momento emocionante para nós, com certeza.

CRIATIVAMENTE, ESTE EP ‘TRUST FALL - SIDE B’ SOA COM NOVIDADE. HÁ ALGO NELE QUE ME TOCA, É ALGO NOVO, COMO SE VOCÊS TOCARAM EM ALGUMA PISCINA DE CRIATIVIDADE. VOCÊ E A BANDA JÁ SENTARAM E CONVERSARAM SOBRE AS MÚSICAS QUE ESTÃO CRIANDO AGORA, E O QUE ELAS SIGNIFICAM OU COMO VOCÊS SE SENTEM?

Boyd: Sim, quero dizer, nós realmente tivemos nosso tempo fazendo este EP. Na verdade, estávamos lançando músicas antes mesmo de terminarmos. Eu acho que, em parte, foi porque gostamos do que estávamos fazendo, mas também porque estávamos empolgados com isso. Acho que todo mundo da nossa banda sabia que estávamos em uma onda criativa realmente interessante e empolgante. E como qualquer pessoa em qualquer campo criativo - tenho certeza de que também pode atestar isso - é como, quando você realmente sente esse tipo de fluxo, por falta de uma palavra melhor, é excitante e você pula, e você quer apenas segurar e eeguir. É realmente eletrizante;  é uma sensação bonita e acho que é uma das razões pelas quais todos fazemos o que fazemos - pelos pequenos momentos de fluxo.

AS PESSOAS SEMPRE DIZEM QUE A MELHOR CANÇÃO É A QUE VOCÊ ESTA PRA ESCREVER OU A QUE VOCÊ ESCREVEU. PORTANTO, VOCÉ ESTÁ SEMPRE TENTANDO MELHORAR O PASSADO, OU TENTANDO SER O MAIS VERDADEIRO PARA VOCÊ. EU ACHO EMOCIONANTE QUE VOCÊ POSSA MANTER AS COISAS FRESCAS, CONSECULTIVAMENTE ANO A ANO.

"TRUST FALL" É UM NOME INCRÍVEL, EVOCATIVO;  OBVIAMENTE A MÚSICA TRUST FALL CONQUISTOU A CONFIANÇA EM 2015, MAS QUAL FOI A INSPIRAÇÃO PARA O TÍTULO DESSES DOIS EPS?

Boyd: Como você disse, começou com o conceito em torno da música. Quando escrevemos em 2014, eu estava meio que me inclinando para esse momento, suponho, intelectualmente e / ou espiritualmente, onde eu sabia que, se eu continuasse a seguir na direção que eu queria criativa, eu teria que me virar e meio que cair de volta nos braços metafóricos de um processo que é muito maior do que eu, sentado na minha mesa com uma banda e tentando controlar todos os aspectos dela.

E assim essa imagem de uma espécie de "confiança que cai" "nos braços de todos", coincidiu com uma experiência psicodélica bastante profunda que eu tive. Nessa experiência, tive a oportunidade de me render a algo, não sei como chamá-lo, porque realmente não tenho o vocabulário adequado. E eu escolhi, e foi uma das experiências mais marcantes que já tive na minha vida. Durou uma noite, mas também pareceu durar 10 anos, e eu pude derramar várias camadas de pele espiritual e emocional que foram como se estivessem me agarrando. Na questão de falar, era como uma árvore tremendo em algum lugar, como que todas as folhas mortas caíam e eu senti que tinha que começar de novo. Então foi inspirador e escrevi uma letra sobre isso, e foi então que essa ideia começou a mudar.  E então tínhamos a intenção de escrever este EP que ficou conhecido como Trust Fall (Side A), e sempre tivemos a intenção de fazer um Lado B, mas nunca colocamos um prazo nele. Nesse meio tempo, escrevemos ‘8’, lançamos um álbum completo, fizemos uma turnê mundial, fizemos essa coisa, foi super divertido… E então, quando esse lote de músicas chegou ao fim, falei de volta e eu fiquei tipo, “Gente, esse deve ser o lado B”, e eu recebi muito pouca resposta dos caras - eles pareciam gostar da ideia de concluir o pensamento de Trust Fall. Então fizemos e completamos o círculo!

QUANDO VOCÊ ESTÁ FAZENDO CANÇÕES, VOCÊ PENSA NA PERFORMANCE AO VIVO? VOCÊ ESTÁ ESCREVENDO MÚSICA PENSANDO COMO SERÁ O DESEMPENHO AO VIVO, OU DEIXA QUE A GRAVAÇÃO FALE POR SI SÓ E DEIXA O DESEMPENHO AO VIVO REFLETIR O QUE ESTÁ NA GRAVAÇÃO?

Boyd: ... eu não, e às vezes isso me morde na bunda, porque eu escrevo o que vem, quando vem. Nós meio que escrevemos músicas; nós as executamos para gravá-las. E então aperfeiçoamos para fazer a tour da melhor maneira possível. E nós misturamos, divulgamos e, depois disso, aprendemos a tocar a música!

E às vezes, quando digo que me morde na bunda, às vezes, escrevi uma melodia quase impossível de cantar - mais de uma vez!  Essa é uma das coisas que também podem ter me mantido alerta, como cantor e intérprete, que não entro na arena de performances ao vivo com 100% de competência. Entro com mais vontade de falhar espetacularmente, e isso acaba sendo muito divertido na maioria das vezes!

EU AMO ISSO!  ISSO É INTERESSANTE.  
EU CONTINUEI PENSANDO QUE O LADO B REALMENTE É COMO A CONTINUAÇÃO DO LADO A, E QUASE ME FEZ PENSAR COMO O ‘8’ SOA COMO UMA DIVERGÊNCIA -  QUE ACONTECEU NO MEIO DOS DOIS.

Boyd: Sim, foi mesmo!  É interessante que você tenha entendido isso porque não foi necessariamente intencional. Temos intencionalidade com o que fazemos, mas é difícil definir. Na verdade, essas intenções se revelam muito tempo depois do fato. Então, estamos fazendo o que estamos fazendo e, como originalmente começamos essa conversa, está indo além das nossas habilidades - muitas mãos à nossa frente em uma sala com pouca luz, procurando um interruptor de luz. Ocasionalmente a encontramos e é como, caramba, isso parece incrível! E às vezes é como, sim, não.  Estamos apenas fazendo o possível para encontrar o interruptor, suponho.

EU GOSTO DISSO. ENTÃO, VAMOS MERGULHAR UM POUCO NAS MÚSICAS: VOCÊS ABREM O EP COM A MÚSICA “KARMA, COME BACK’ COM ESTA LINHA DE BAIXO E E SUA PRÓPRIA LETRA AMEAÇADORA, “YOU’RE RIGHT TO BE KIND OF BITTER, THAT SERENADE, YOU COULD SAY, IT WAS A CON.” POR QUE COMEÇAR O EP COM ESTA MÚSICA?

Boyd: Por algumas razões, eu acho. A razão mais importante é que, em o tipo de estética sonora, parece o começo de alguma coisa. Deliberamos no que diz respeito à sequência de nossos discos. Alguns caras não se importam, o que é incrível. Então, somos realmente dois ou três de nós que deliberamos sobre cada pequeno detalhe - e eu sou um dos caras que quer deliberar sobre cada pequeno detalhe, e então lutei para que essa música fosse a primeira, porque parece que está começando algo naquele tipo de sentimento sinistro e assustador. Parece ainda mais ... Eu não quero dizer relevante, porque isso sopraria muita fumaça na nossa bunda, mas parece haver algum tipo de oportunidade desse primeiro sentimento e da primeira letra que aparece. Eu poderia continuar falando sobre o tipo de intenção e os detalhes da música.



QUAL É A ATUALIDADE DE “KARMA, BACK” QUE CHEGA A VOCÊ?  SINTA-SE LIVRE PARA CONTINUAR!

Boyd: Sim, então foi fascinante e comovente assistir ao desastre lento que tem sido o experimento político / cultural americano nos últimos anos. Mas tudo isso (exceto as surpresas entorpecentes que nos receberam há poucas semanas) não foi totalmente imprevisível ou "do nada". Houve uma sensação de iminente responsabilização em massa que vem entrando e saindo dos meus pensamentos há muito tempo. Uma sensação tipo "quando vamos receber a conta pela forma como estamos operando?" Isso faz sentido?

Então, quando as primeiras iterações dessa faixa começaram a surgir e eu fechei os olhos e tentei traduzir o que estava vendo, parecia muito uma silhueta feminina dançando lentamente sob uma luz trêmula e moribunda. Vejo essa luz crepitante como o último suspiro energético de nosso paradigma político / cultural / coletivo e a forma de dançar como o próprio Karma, antropomorfizado e pacientemente balançando para frente e para trás em uma espécie de provocação preventiva antes de enviar toda essa energia de volta ao local de onde isso veio. No refrão, suponho que estou implorando para que o “eu-você-nós” façamos melhor, para que não incitemos a mesma ira cósmica imparcial sobre nós mesmos em uma espécie de repetição infinita. Tudo isso não está em algum sentido religioso, o fim está quase no caminho. Mais observacional e, esperançosamente, incorporando mais sensibilidade mitopoética. Você pode dizer que tomei duas xícaras de café?

“YOU’VE GOT TO DO BETTER BEFORE THIS KARMA, KARMA, KARMA COMES BACK.” ESTAS PALAVRAS MUITO RELEVANTES, ESPECIALMENTE NESTES ÚLTIMOS ANOS, COMO JÁ VIMOS MUITOS NO PODER FALHAREM, TANTAS E TANTAS VEZES . O QUE FAZ DA MELHORIA HUMANA UM TÓPICO DE ENGAJAMENTO PARA VOCÊ?

Boyd: Eu gosto dessa pergunta. E, por mais importante que esse tópico seja, acho que a melhor maneira de resumir meus pensamentos é: Potencial! Uma das coisas que torna os seres humanos tão notáveis ​​e milagrosos é a nossa capacidade de imaginação e engenhosidade. Entre outras coisas, é claro. Portanto, é espiritualmente e intelectualmente emocionante imaginar o que os seres humanos podem fazer. O outro lado disso é a sombra que está inevitavelmente ligada a toda ação. Portanto, precisamos ter isso em mente também. Por maior que seja a nossa capacidade de imaginação e engenhosidade, nosso potencial para fazer coisas terríveis é igualmente real.

"OUR LOVE” É ESPECIALMENTE ILUMINADA COM SUA ATMOSFERA AREJADA E LETRAS JOVIAL, "OUR LOVE’S NOT HIDING ANYMORE.” PARECE UMA DOCE CANÇÃO DE AMOR, O QUE AJUDA A SE DESTACAR NESSE ACERVO DO INCUBUS. O QUE INSPIROU ESTA MÚSICA?

Boyd: Essa música foi interessante porque nasceu de um riff de guitarra, o primeiro riff de guitarra que você ouve, Michael escreveu esse riff provavelmente há seis anos. E ele me enviou cerca de seis anos atrás, e foi enviado para mim em uma espécie de avalanche de outros riffs de guitarra que ele circulava pela banda. Tive uma reação visceral imediata e gravei a letra que você ouve no disco - gravei na minha casa há cerca de seis anos. E acabou ficando meio enterrada entre um monte de outras idéias e um monte de outras músicas nas quais estávamos trabalhando. Não estou brincando, meio que esquecemos.

Eu estava olhando um arquivo antigo de e-mails do Incubus que eram enviados e enviados. E pensei “Our Love", o que é isso? Eu ouvi isso com os ouvidos frescos e fiquei tipo, “Isso é bom! Nós devemos terminar essa música.” Então nos juntamos no estúdio e terminamos rapidamente, escrevemos a bridge e misturamos. Estou feliz que meio que ela tropeçou de volta no meu caminho!



EU REALMENTE GOSTO DA PEGADA FUNKY DE “INTO THE SUMMER”
É BRILHANTE, ME LEMBRA DOS SENTIMENTOS QUE EU TENHO QUANDO “FOOL IN THE RAIN” DO ZEPPELIN APARECE - É UM LANÇAMENTO BRILHANTE. COMO ESSA CANÇÃO SURGIU?

Boyd: Certo, obrigado. Mais uma vez estávamos na sala da banda, e Michael começou a tocar esse riff, e então Ben imediatamente se juntou a ele com a linha de baixo que você ouve. Todos rapidamente concordamos que parecia que ela vinha de outra época. E então nós meio que propositadamente nos movemos para a era de Bowie e começamos a relembrar algumas das outras bandas da época em que éramos obcecados quando crianças. E então apenas nos inclinamos para ela e deixamos a nostalgia ficar louca.



EU AMO ISSO. PASSEI UM POUCO DE TEMPO LENDO OS COMENTÁRIOS NA PÁGINA DO FACEBOOK - VOCÊS TEM MUITOS FÃS QUE GOSTAM DE FAZER REVIEW NOS COMENTÁRIOS, O QUE É DIVERTIDO. E NO PRIMEIRO RELANCE  "ON WITHOUT ME” REALMENTE PARECE QUE VIROU UM HIT ENTRE OS OUVINTES. O QUE VOCÊ PENSA QUE RESSOA NESSA MÚSICA? O QUE ELA FALA COM VOCÊ?

Boyd: Primeiro de tudo, estou tão emocionado ao ouvir que isso ressoa com nossos ouvintes de longa data; Estou tão acostumado com a primeira reação à música nova que mostramos ser realmente violento, como: "Como você pôde fazer isso conosco, filhos da puta, eu amaldiçoarei para sempre seus nomes e meus futuros filhos!" Então, na verdade, como resultado, eu parei de ler comentários e quadros de comentários há muito tempo, então, mais uma vez, estou muito feliz em saber que está ressoando bem.

Essa música em particular foi a última faixa que gravamos para o EP, e provavelmente é a faixa na qual colocamos mais poder coletivo. Começamos a escrever enquanto estávamos em turnê neste outono, dos 20 anos do Make Yourself. Todos os dias na checagem de som por um par de meses, nós nos esquivávamos disso - então eu tinha alguns meses para realmente pensar na letra e afiná-la, e afinar a melodia, e eu estou tão empolgado, fomos capazes de fazer do jeito que fizemos, porque é uma daquelas músicas que queríamos que fosse grande e arejada - um grande suspiro - e eu acho que evitamos isso quando começamos a nos meter nisso, então é preciso espaço necessário, para criar.



YOU ARE NOT MEANT TO READ THEM; THOSE WORDS WERE MINE,” VOCÊ CANTA NO FINAL DE ‘PAPER CUTS’ “THESE PAGES, RAZORBLADES, SECRETS I CAN’T TAKE BACK.” PARECE UM FECHAMENTO ADEQUADO, PODE FALAR DA IMPORTÂNCIA DESSE FINAL PRA VOCÊ? O QUE LEVOU A DECISÃO DE FECHAR COM ESSA MÚSICA?

Boyd: Estou considerando essa pergunta e acho que a resposta honesta hoje é que realmente não sei. Não é decisivamente o porquê. Tenho algumas idéias de por que parecia a maneira certa de encerrar com essa, mas talvez seja necessário ficar um pouco mais com ela antes de dar uma boa resposta.



PARA MIM, ESTE EP QUE SAI DURANTE UMA QUARENTENA, É UMA ESCAPE, BEM COMO UM AVISO: TEM UM PUNCH DE ALEGRIA E HUMILDADE CONSTRUÍDO. VOCÊ TEM ALGUM PENSAMENTO SIMILAR AO REDOR DO CONTEXTO DESTE LANÇAMENTO?

Boyd: É uma coisa tão agridoce para ser honesto. Estou tão feliz e agradecido por podermos lançar música, então temos a adorável complicação de potencialmente ser a fuga de algumas pessoas do que está acontecendo agora, bem como o empurrão de algumas pessoas para mergulhar mais fundo e se conectar à arte que pode agir como um condutor para mudar certos padrões. Só espero que, depois que as coisas se suavizem um pouco, esse novo lote de músicas não lembre as pessoas de ficarem em quarentena.



O INCUBUS CELEBROU O 20º ANIVERSÁRIO DO ‘MAKE YOURSELF’ NO ÚLTIMO ANO, O QUE SIGNIFICA ALGUM DOS SEUS MAIORES HITS AGORA SÃO VELHOS O SUFICIENTE PARA COMPRAR UMA CERVEJA. SIGNIFICA ALGO ESPECIAL PARA VOCÊ, VER UMA CANÇÃO COMO ‘DRIVE’ ENVELHECER, (E ENVELHECER BEM, EU POSSO DIZER)?

Boyd: Sim, honestamente. Sim, isso significa o mundo para mim. É difícil até tentar colocar em palavras, para dizer a verdade, porque colocamos tudo nessa banda. É o nosso bebê, você sabe? E colocamos tanto amor, carinho e atenção nele quanto qualquer coisa que eu acho que algum de nós tenha feito em nossas vidas ... Então, mesmo que uma música seja bem pensada vinte anos após sua criação, acho que é uma benção incrível.  Estou emocionado por as pessoas ainda parecerem ressonar com algo que lançamos há muito tempo. Sim, sou incrivelmente grato e agradecido.

WHATEVER TOMORROW BRINGS, YOU’LL BE THERE. FALANDO QUE ‘DRIVE’ TEM AGORA 21 ANOS, A MÚSICA OU SUA HISTÓRIA GANHOU UM NOVO SIGNIFICADO AO LONGO DOS ANOS, OU ESSAS LETRAS AINDA EVOCAM AS MESMAS IMAGENS PARA VOCÊ DE QUANDO ESCREVEU?

Boyd: É louco que faz tanto tempo. Eu poderia continuar, mas vou dizer que as músicas acabam sendo como flashes instantâneos de uma hora e de um lugar.  Você olha para trás e às vezes se esconde no corte de cabelo ou em quão baixas (ou altas) suas calças estavam. Nesse caso, eu estou bem com o que estávamos vestindo e com o pouco gel de cabelo que usamos, então sou acolhido por esses momentos instantâneo e não me importo de compartilhá-los novamente.

QUE OUTROS ARTISTAS ESTÁ OUVINDO NESSES DIAS, QUEM RECOMENDARIA AOS NOSSOS LEITORES?

Boyd: Eu realmente amo Weyes Blood, Beach House, Emma Ruth Rundle, Trentemoller e muitos outros. Que hora para a arte, hein?

VOCÊ PODE FALAR EM COLABORAÇÃO COMO UMA BANDA DURANTE A QUARENTENA?  VOCÊS ENCONTRARAM ALGUMA MANEIRA DE FAZER FUNCIONAR? EU SEI QUE VOCÊ FARÁ ALGUMAS TRANSMISSÕES ONLINE, ESSE TIPO DE COISA, É TUDO NATURAL?

Boyd: Tem sido um desafio colocar as coisas na engrenagem que eu me acostumei a ser, porque na maioria das vezes eu sei como fazer o que faço nesta banda, nasce de estar na sala com os caras e estar na mesma vibração entre si. No entanto, brincamos com maneiras de enviar MP3s e jogar uma espécie de jogo por telefone. Na verdade, estamos aprimorando nossas habilidades de adaptabilidade.

OLHA, MUITO OBRGADO BRANDON, E NOVAMENTE PARABÉNS PELO LANÇAMENTO DO EP E MEU MELHOR PARA A BANDA!

Boyd: Agradeço seu tempo também, obrigado. Tenha um ótimo dia!


sexta-feira, 17 de abril de 2020

Trust Fall - Side B

O novo EP ‘Trust Fall Side B’ já esta disponivel nas plataformas de música.... aperta o play e seja feliz 😊👇🏼 (Clica na imagem)



quarta-feira, 15 de abril de 2020

Brandon fala sobre o ep ‘Trust Fall Side B’


Matéria com Brandon, no site Altpress, sobre o novo EP ‘Trust Fall Side B’.


Como o Incubus rejeitou os truques do estúdio para criar seu novo EP.



Brandon Boyd explica como o Incubus reacendeu o brilho que eles encontraram quando se formaram.

O Incubus estava fazendo uma turnê dos 20 anos de seu álbum, Make Yourself, mas cobrir o passado parece renovado por tanto tempo.  Em seu último EP ‘Trust Fall (Side B)’, eles rejeitaram “truques de estúdio" para recuperar o brilho que os manteve, amigos e colegas ao longo da vida, todos esses anos.  O vocalista Brandon Boyd explica esse processo.

Apesar de uma carreira de quase 30 anos como banda, o Incubus recentemente se firmou nas profundezas de San Fernando Valley, onde eles puderam se reunir para criar, praticar e gravar. A discussão para fazer isso começou há cerca de 15 anos, mas tudo veio à tona quando eles se juntaram para produzir cinco novas faixas para o ‘Trust Fall (Side B)’, uma coleção que Boyd chama de "psiquicamente conectada" ao EP anterior. 
“Foi um prazer ter um lugar que podemos chamar de nosso e trabalhar quando quisermos e não precisar pagar por hora", diz ele. "Gastamos inúmeros dólares pagando o aluguel de outra pessoa".

VELHOS HÁBITOS VOLTARAM AO JOGO

 “Havia algo sobre a maneira como escrevemos o Make Yourself e o álbum que veio depois, Morning View, onde todos estávamos basicamente juntos em uma sala”, Boyd explica sobre a nostalgia que voltou aos hábitos da escrita e execução coletiva do Incubus. “Tocar o disco todas as noites por três meses - também conversamos sobre isso - lembrou a todos que, quando confiamos menos em truques de estúdio e, na verdade, apenas nos dedicamos, nos encaramos e nos soltamos, melhoramos os resultados. Este EP é um exemplo disso. ”

ANOS DE ESCRITA E PERFEIÇÃO

“Our Love” foi lançada no fim de janeiro, mas Boyd e o guitarrista Mike Einziger começaram a trabalhar na música anos atrás. “[Ele] escreveu os riffs de guitarra, e eu respondi com as letras que você ouve. Na verdade, eu coloquei as letras na minha casa, e todos gostamos muito, e apenas mantivemos. Essa música permaneceu quase que totalmente inalterada.” A banda também se baseou nas referências das covers que fizeram ao vivo de artistas como INXS e David Bowie na jam mais animada do EP, "Into The Summer".  “Começamos a tocar essa música no estúdio e, quando tudo estava se unindo, acabamos concordando: 'Parece que veio de uma era diferente.  Vamos em frente ", diz ele.

COM GRANDE PODER VÊM UMA GRANDE RESPONSABILIDADE CÁRMICA

Boyd, uma presença eternamente zen no palco e fora do palco, focou-se no conceito de retribuição na faixa mais pesada, "Karma, Come Back”. Eles criaram várias versões antes de se decidir pelo corte final mais agressivo, que se encaixa perfeitamente no comentário político sutil encontrado nas letras. "Eles dizem que tudo o que você coloca no mundo, você recupera em três partes", explica Boyd.  “O que eu tinha abertamente em mente, era o comportamento de alguns líderes que parecem estar agindo como se não houvesse responsabilidade ou consequência, e o que estou fazendo na música é cantar para essa deusa sombria: 'Karma, venha de volta!’ Tipo, eu mal posso esperar para ela voltar e dançar com essas pessoas em particular.”

UMA MÚSICA DE TÉRMINO PARA CANÇÕES DE TÉRMINOS

A balada incrivelmente bela e tocada no piano “Paper Cuts” foi construída sobre um “piano debilitado, o diário de [Boyd] e uma grande quantidade de ambições musicais”, misturando-se perfeitamente em uma balada pesada que se concentra em algumas acordes significativos destacando a poesia natural da escrita de Boyd. "É basicamente uma história sobre alguém lendo um diário que nunca deveria ver, e tudo escrito é sobre essa pessoa", diz ele.  "É uma ocasião em que alguém tropeça no momento privado de uma pessoa e vê coisas que não deveriam ver, então não pode vê-las".