segunda-feira, 9 de abril de 2018

8 Tour - 2018 (Update)

Confira a lista oficial dos shows confirmados da '8 Tour' para 2018. Para mais informações sobre os locais e venda de ingressos, clique aqui. 

Acompanhe também fotos, videos, setlists e tudo sobre a turnê pela nossa página do facebook.

TOUR INTERNACIONAL

07/02 - Jacarta, Indonésia
09/02 - Singapura, Singapura
11/02 - Pune, India - VH1’s Supersonic Festival
13/02 - Kuala Lumpur, Malásia
15/02 - Chatuchak, Tailândia
17/02 - Manila, Filipinas
19/02 - Osaka, Japão
20/02 - Tóquio, Japão
24/02 - Pretória, África do Sul
28/02 - Cape Town, África do Sul
04/03 - Auckland, Nova Zelândia
07/03 - Christchurch, Nova Zelândia
09/03 - Melbourne, Austrália
10/03 - Sydney, Austrália
12/03 - Brisbane, Austrália
21/04 - Guadalajara, México - Roxy Festival
17/08 - Bruxelas, Bélgica - Pukkelpop Festival
31/08 - Treviso, Itália - Home Festival

TOUR AMERICANA 

02/02 - Las Vegas - The Joint
03/02 - Las Vegas - The Joint
14/03 - Honolulu, Havaí
15/03 - Honolulu, Havaí
23/03 - El Paso, Texas - Speaking Rock
24/03 - Houston, Texas - In Bloom Festival
30/03 - Las Vegas - The Joint
31/03 - Las Vegas - The Joint
28/04 - Panama Beach City, Florida - Sandjam Music Festival
04/05 - West Palm Beach, Florida - SunFest
04-06/05 - Memphis, Tennessee - Beale Streat Music Festival (uma noite apenas)
06/05 - Concord, Carolina do Norte - Festival Carolina Rebellion
25/05 - Napa Valley, Califórnia - Festival BottleRock
31/05 - Grand Rapids, Michigan
01/06 - Columbus, Ohio
02/06 - Cincinnati, Ohio - Bunbury Music Festival
07/07 - Anchorage, Alaska
08/07 - Anchorage, Alaska
10/07 - Airway Heights, Washington
12-14/07 - Cadott, Wisconsin - Cadott Rock Fest (uma noite apenas)
13/07 - Milwaukee, Winscosin
14/07 - Sioux City - Iowa
14-16/09 - Del Mar/San Diego, Califórnia - Kaaboo Festival (uma noite apenas)
29-30/09 - Asbury Park, Nova Jersey - Sea Hear Now Festival (uma noite apenas)
13/10 - San Bernardino, Califórnia - Glen Helen Amphitheater (com System of a Down e At The Drive In)
13-14/10 - Sacramento, Califórnia - Aftershock Festival



segunda-feira, 12 de março de 2018

Brandon Boyd reinventando o Incubus e abordando a América de Trump no novo disco '8' [Entrevista]

Traduzimos a entrevista que Brandon deu ao site Music Feeds da Austrália.

Ontem eles fizeram em Brisbane (Austrália) o último show da turnê pela Ásia e Oceania, agora eles seguem para o Havaí. 
Aqui todas as datas dos próximos shows.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Brandon Boyd reinventando o Incubus e abordando a América de Trump no novo disco '8'


Entrando em seu 27º ano de existência, os roqueiros californianos do Incubus estariam dentro de seus direitos de ficar num circuito nostálgico e ficar o resto do tempo remoendo seus hits ‘multi-platinum’ de anos atrás. Mas, como uma peça única de seu oitavo disco de estúdio, ‘8’, eles deixam bem claro, o Incubus ainda é uma força criativa a ser considerada.

Com um esforço energizado e experimental, ‘8’ encontra a banda em forma de rachaduras, exibindo ondas musicais e composições de músicas que muitas bandas mais novas matariam para ter, enquanto faziam perguntas aos ouvintes e ao mundo com cada nota.

É um corajosa declaração de intenção da banda, liderada desde o início pelo, vocalista/pintor/autor/cara atraente de 42 anos, Brandon Boyd, um homem cuja produção artística, perspectivas profundamente espirituais e esforços filantrópicos inspiraram milhares de fãs em todo o mundo, a obter tinta em sua homenagem (e sem dúvida, milhões hiperventilam quando o vêem ao vivo).

Na primeira turnê da banda na Austrália, em mais de seis anos, Brandon foi gentil o suficiente para falar com o Brenton Harris da Music Feeds, dando uma visão esclarecida sobre o processo criativo, suas opiniões políticas e ideais, assim como a busca contínua de reinvenção da banda.


MF: Brandon, obrigado por ter tido tempo para conversar com o Music Feeds, como vai a vida?

BB: A vida esta adorável, obrigado por perguntar, como está para você?


MF: Muito bem na verdade, e uma das razões para isso é que o Incubus está vindo para a Austrália para uma série de shows em seis anos, divulgando o ‘8’! Você está tão entusiasmado para estar aqui para esses shows, assim como seus fãs estão por vocês estarem de voltar?

BB: Ah, sim, cara, estamos extremamente entusiasmados, nós amamos, amamos, amamos, AMAMOS ir para a Austrália, por tantos motivos, um deles não menos importante, é que não vamos lá tão freqüentemente, então sempre é especial, mas também porque a Austrália e a Califórnia são muito parecidas, sempre sentimos como se estivéssemos em casa e não a milhares de quilômetros de distância quando tocamos lá, e também sempre conseguimos fazer shows legais, então estamos ansiosos para voltar para casa, por assim dizer.


MF: Eu concordo com essa noção de sermos espíritos afins, sempre me senti muito confortável na Califórnia, quando visitei e apreciei as pessoas por sua bondade, então é bom ouvir que você se sente em casa quando você visita a Austrália. 
Muitas bandas se esforçariam para encontrar novas direções sonoras e líricas para explorar no momento em que compõe o oitavo disco, mas vocês conseguiram fazer as duas coisas no ‘8’, resultando em um disco com um som muito fresco, havia algo específico que fosse inspirador para o Incubus durante o processo de criação?


BB: Como artista, tive alguns momentos na minha vida onde senti como se estivesse bloqueado para escrever, para pintar, e o que eu aprendi é que a criatividade é um animal dinâmico, que existe em um nível de consciência próprio. Quando chega, eu gosto de recebê-lo na minha casa, cuidar dele, cultivá-lo e conseguir o máximo que posso, até que ele decida voltar para casa novamente.

Eu tenho muitos amigos que são artistas que quando a criatividade deixa sua casa, eles tomam isso de forma tão pessoal, e eles se deixam vencer por isso, quando eu finalmente entendi que é algo que vem e vai, que é como uma pedra rolante e que lisonjeia quando aparece, mas as pessoas entram no modo de crise quando é hora de sair. Então eu faço o meu melhor para não me ofender quando isso acontece comigo e, em vez disso, tento me concentrar nas coisas que são propícias para que essa criatividade flua novamente, descobri que estar na minha casa, ter a capacidade de pintar e surfar, mas também ter a capacidade de sair em turnê e, literalmente, mudar o cenário e ver algo novo, tem sido um método bem sucedido até agora.


MF: O clima político atual nos EUA definitivamente parece ter influenciado alguns aspectos do disco ‘8’, para uma banda que não é conhecida por ser abertamente política, fora o ativismo ambiental, no ‘8’ você realmente se inclinou na direção política, era algo que você simplesmente não podia ignorar?

BB: Eu não diria que é um novo território, há várias músicas antigas que se concentraram em questões políticas, mas definitivamente há mais no ‘8’, e é porque o mundo é um lugar muito grudento culturalmente e a América está agindo numa parte interessante a esse respeito, as vezes você se sente como parte de um gigante experimento científico, onde nunca vamos ver o fim, mas definitivamente é algo que inspira um para se abrir sobre isso.

É também uma mudança muito rápida, culturalmente em casa, a medida em que começamos a escrever o ‘8’, Trump estava só declarando que estava se candidatando a presidente, e então, antes de terminarmos, ele realmente foi eleito e senti como se tivesse acordado em um mundo completamente diferente. Parecia que as pessoas o elegeram como um ato de dissidência política, ao invés de qualquer pensamento nas conseqüência, e as consequências daquilo tem sido uma constantemente devolução. O que vou dizer é que é crise política e cultural, porque é o que é para nós, é uma crise cultural, e atua como uma grande musa criativa, faz uma arte boa.


MF: Incubus faz 27 anos este ano, mas vocês nunca foram bem sucessos em ser rotulados em um tipo de som, ou movimento, ou um período musical, sem levar em conta o empenho de alguns segmentos da imprensa em tentar classifica-los como nu-metal, vocês sempre permaneceram distintamente 'Incubus', como vocês conseguiram escapar de serem rotulados?

BB: É um truque muito simples e vou compartilhar com você agora, nos cobrimos com óleo de bebê, constantemente, assim ninguém pode nos agarrar!

Honestamente, não sei a resposta verdadeira pra essa pergunta. Só sei que desde o início até hoje mantivemos muita seriedade sobre a nossa arte e o processo criativo, e sempre acreditamos que a curiosidade é um ingrediente muito vital e necessário, e eu sei que como cantor, compositor e pintor, sou tão curioso, se não mais curioso agora do que eu quando começamos a fazer isso, e isso continua me inspirando a jogar mais cores na tela, para ver o que acontece.


MF: Você acha que a dedicação a essa autenticidade no processo criativo e não ter um som rotulado ajudou vocês a escaparem da nostalgia de um disco retrospectivo, que muitas bandas de uma era similar a de vocês parecem presas, você já consideraria fazer um desses tipos de turnê?

BB: Ainda não, ainda não. Há ainda uma vitalidade em nossa banda, uma curiosidade sobre o território novo e o desejo de criar e explorar, então vamos continuar procurando por isso, e quem sabe um dia talvez encontremos a resposta para essa curiosidade e diremos "oh, olhe, está lá, é o que tínhamos procurado durante todo esse tempo" e vamos pegar nossos instrumentos e decidir que é tempo de turnê de nostalgia, mas espero que estejamos com 55 nesse momento.


MF: Você provavelmente ainda estará se balançando, no estilo Iggy Pop.

BB: Eu espero por isso, sinceramente!


MF: Você é pessoalmente um artista multidisciplinar, tendo sucesso trabalhando com arte visual, escrita e, claro, música, há elementos da sua personalidade que você expresse de forma mais fácil, ou fácil em um meio do que outro?

Definitivamente se informam, mas também têm uma energia própria. O visual, eu gosto de descrever que é uma única árvore, com um sistema de raiz compartilhado, cada meio ou saída criativa é uma ramificação. Em certos dias, eu estou em cima de um ramo, em outros dias eu estarei em cima de outro, mas em outros dias vou me concentrar em pensar sobre como a árvore se parecerá se crescer outro ramo. O que eu tento fazer, para usar mais essa metáfora, é garantir que a árvore esteja coberta de flores tanto quanto possível, quero nutrir esta idéia de não apenas arte, mas criatividade.

O que é viver uma vida criativa? O que significa ser consistente no processo criativo? Produzir diferentes tipos de frutos, ao invés de apenas dizer "vou escrever uma música e vai ser uma música de sucesso”, é muito mais interessante para mim explorar como seria uma música que possa mudar a mente de alguém, ou inspirar alguém a agir com uma força positiva, ou eu quero pintar uma imagem que faria alguém se fazer uma pergunta que nunca fez antes. Estou muito mais interessado agora no processo criativo como uma filosofia do que qualquer outra coisa, se isso faz sentido?


MF: É, definitivamente, e na minha opinião é um ato de coragem, de colocar tanto de si, continuamente, para o público ver e ouvir do jeito que você faz, isso deixa você desconfortável, tão exposto ou já deixou?

BB: Sempre há uma sensação muito palpável de vulnerabilidade sempre que faço alguma coisa. Quando lançamos discos novos, meu coração fica batendo três vezes mais rápido por cerca de duas semanas, fico nervoso e ansioso, vulnerável e tenso, mas depois lembro que eu faço isso porque tenho esse impulso irresistível de fazer as coisas, então eu sinto que é um bom exercício para mim como ser humano, continuar a aprender que a vulnerabilidade não precisa ser ameaçadora, e aprendi a cada vez que, à medida que o medo do processo desaparece, o crescimento como artista e como um ser humano aparece como recompensa, que muitas vezes inspira mais criatividade.

MF: Essa é uma perspectiva fascinante e auto-consciente, se houver um músico ou artista em desenvolvimento lutando para colocar sua arte pra fora, por conta dessa vulnerabilidade, quais conselhos você daria para superar esse medo?

BB: Eu costumava ter um pesadelo recorrente quando era criança. Quando começava a adormecer, eu ia caindo em um vazio preto, e havia um tambor batendo, como um tambor de guerra, cada vez mais rápido e mais alto e mais alto, e agora fazendo uma retrospectiva, eu entendi que era o meu próprio batimento cardíaco acelerado, mas eu sentia como se fosse um tambor de guerra, que continuava batendo e batendo e sempre acordei desse sonho antes de chegar ao fim, porque eu estava aterrorizado que algo acontecesse. Eu era pequeno quando tive esse sonho, mas teve um momento que eu tinha 12 ou 13 anos que fiquei cansado de acordar, e comecei a me testar e decidi que iria cair no fundo desse vazio para ver o que estava lá, e o que era tão intimidador disso e por que era tão assustador. Cheguei ao fundo do poço e não havia nada lá, e então nunca mais tive aquele sonho. Então, o meu conselho para jovens artistas é apenas ficar de frente com o que você tem medo e enfrentar de frente, porque você vai perceber que não há nada para temer, é só você lá, só você, então, o que está lá para temer?

MF: O Incubus sempre se comprometeu em devolver, através da filantropia com a Make Yourself Foundation, e o ativismo ambiental, o que impulsiona esse desejo e existe algo forte que você ache importante e gostaria de impactar positivamente através da sua base de fãs?

BB: No momento, como estamos em turnê, estamos basicamente em fase de angariação de fundos. Ao longo dos últimos anos, o dinheiro foi para muitas situações de ajuda de desastres, porque houve muitos desastres naturais acontecendo ao redor do mundo.

O impulso para continuar a fazer esse tipo de atividade é porque se você tem essa oportunidade, essa habilidade de arrecadar dinheiro, e aumentar a consciência, e impactar o mundo de forma positiva, de uma maneira muito tangível, então, por que não? É importante que todos façamos nossa parte para tornar o mundo um lugar melhor, e deixar o mundo em um lugar melhor do que era quando chegamos, por isso estamos todos empenhados em garantir que continuemos a contribuir, de qualquer maneira que possamos, no futuro.

MF: Esse é um sentimento muito nobre e é ótimo ver essa atitude, de continuar a se comprometer em fazer o bem para o mundo, quando, na realidade, você pode optar por fazer qualquer outra coisa com os frutos do seu sucesso. Me falaram que devemos seguir caminhos separados agora, então, obrigado por ter tido tempo para conversar com o Music Feeds hoje, esta foi uma entrevista realmente esclarecedora e uma discussão que eu adoraria continuar com você quando você estiver em Melbourne.

BB: Qualquer hora cara, obrigada pelo seu tempo também, nos vemos em março.





quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Brandon Boyd: Todo mundo da banda sempre quis vir para África do Sul [Entrevista]

Com a ida da banda pela primeira vez para África, muitas entrevistas estão surgindo.
Aqui traduzimos uma pequena entrevista com Brandon para o Channel24.

Em paralelo a isso, na última segunda, foi inaugurada uma pop up gallery 'Opti Mystic' com os seus trabalhos na Cidade do Cabo. Aqui tem algumas fotos do evento. 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Brandon Boyd: Todo mundo da banda sempre quis vir para África do Sul.


A banda de rock americana Incubus está atualmente em uma turnê sul-africana e tocou para uma multidão apaixonada no sábado em Pretoria, no Monumento Taal.

Antes do show, Channel24 falou com Brandon sobre a chegada na África do Sul, o que o inspira e muito mais, incluindo o que ele sempre faz turnê.

C24: Esta será a sua primeira vez na África do Sul?

BB: Sim, pela primeira vez.

C24:Quando vocês formaram o Incubus em 1991, vocês pensaram que ainda estariam juntos tantos anos depois? Qual é o segredo para se manter relevante na indústria da música durante esse longo período?

BB: Eu não fazia ideia de que nosso projeto de pequena banda duraria um mês e muito menos 27 anos. E, o mais importante, ainda preenchido com tanta vitalidade e diversão depois de todo esse tempo. Eu acho que é isso que nos manteve envolvidos por muito tempo. Nós adoramos muito isso e nos preocupam, é como nosso filho. Outra razão pela é interessante, é que é um desafio profundo. Mesmo quando você acha que é um especialista em alguma parte do processo, isso tem uma tendência engraçada para escapar entre os dedos como a barra de sabão no chuveiro.

C24: Sua música é uma mistura de muitos gêneros do rock ao hip-hop ao eletrônico, o que inspira essa mistura? Quais são as suas maiores influências?

BB: Acho que sempre fomos e continuamos a ser influenciados por qualquer coisa e tudo. Ninguém na banda escuta exclusivamente um gênero de música, todos somos admiradores de música como forma de arte e, portanto, sempre permitimos que todos e cada um dos estilos se comunique com o que fazemos. Na maioria das vezes, inconscientemente.

C24: O que fez vocês quererem tocar na África do Sul?

BB: Nós gostamos de ir onde somos queridos! (Risos) Mas, egoisticamente, todos na banda sempre quiseram vir para a África do Sul e tentamos há muitos anos fazer com que funcionasse. A logística não funcionou a nosso favor até este momento. Mas nós conseguimos!

C24: O que os fãs podem esperar do show?

BB: Eles podem esperar que os arcos-íris disparem para fora de seus olhos, chantilly surgindo espontaneamente de seus jeans, e as pombas brancas vibram em câmera lenta em qualquer direção que eles olhem no concerto. Entre outras coisas...

C24: Qual é a única coisa que você sempre leva em uma turnê com você?

BB: Minha câmera e um pequeno kit de arte.

C24: Existe uma atividade local que que você ama? Ou queria colaborar com alguma?

BB: Espero ver algumas atividades locais enquanto estamos aqui!





Ben Kenney, como crescer com modelos brancos do rock and roll [Entrevista]

Entrevista traduzida do Ben, para o site sul-africano The Daily Vox.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ben Kenney do Incubus, como crescer com modelos brancos do rock and roll.

O Daily Vox conversou o baixista do Incubus, Ben Benney, cerca de uma hora antes do seu primeiro show na África do Sul, no sábado, 24 de fevereiro. Perguntamos sobre a importância para as crianças negras com músicos negros servindo de exemplos, 'Black Lives Matter', a presidência de Trump e sua própria atitude pessoal em relação à pirataria de sua música.

O Incubus é uma banda de rock alternativo mundialmente conhecida, da Califórnia, EUA, que vem se apresentando em todo o mundo há quase três décadas. Eles venderam mais de 23 milhões de álbuns em todo o mundo e uma apresentação matadora, enérgica que dominou o público ansioso em Pretória. O Incubus é incomum para uma banda de rock americana, por conta da sua incrível diversidade racial. Dos cinco membros, Chris Kilmore (DJ) e Ben Kenney (baixo) são negros, Jose Pasillas (baterista) é latino e Brandon Boyd (vocal) e Einziger (guitarrista) são brancos.

Além de seu gênio musical amplamente aclamado, suas músicas abordam questões políticas sérias, como o racismo, enfrentando presidentes ditatoriais dos EUA, como George Bush, e elogios aos trapaceiros e rebeldes que superaram a apatia social.

TDV: Incubus vem tocando desde 1991 e já viajou por todo o mundo, mas nunca esteve na África do Sul ou em qualquer outro lugar na África até agora. Existe uma razão para isso? Como se sente estando aqui?

BK: É ótimo estar aqui. Nós queríamos vir aqui há muito tempo. Não é a viagem mais fácil de se fazer para uma banda. Temos uma equipe grande que viajamos e é muito longe. Não há muitas paradas ao longo do caminho que podemos fazer. Viajar nos EUA para nós é realmente fácil. Dirigimos por quatro horas, fazemos um show, dirigimos mais quatro horas [e] fazemos outro show. Para chegar aqui, tivemos que voar por quase um dia inteiro. Tivemos um vôo de 7 horas e meia e depois um voo de 10 horas. Então esse é o único motivo, é realmente muito longe.

TDV: Você sabe que o Incubus tem muitos fãs na África do Sul que estão realmente ansiosos para vê-los?

BK: Teve um pouco de zumbido ao longo dos anos. As pessoas pediam que viéssemos tocar. Mas acho que vamos descobrir em algumas horas sobre o que se trata.

TDV: Você se importa (alguns artistas se importam) em como as pessoas têm consumido sua música, comprando CDs, ouvindo online ou o que for?

BK: É ótimo quando existe um sistema de suporte, porque nos permite ter dinheiro para fazer mais discos. Pessoalmente, eu adoro quando as pessoas adoram a música. Isso é a coisa mais importante acima de tudo. Então, o que você tiver que fazer para para ter isso, você sabe, se estiver fazendo, estou animado.

TDV: Entando no contexto da África do Sul. Existe um forte clima de tensão racial aqui, historicamente e atualmente. Algumas das músicas de vocês lidam com esses problemas. Na música "Thieves", por exemplo, a banda diz "quando eu vou ter o meu, devo ser um americano branco temente a Deus?". Você pode nos contar um pouco mais sobre isso e como ele pode se conectar com o contexto sul-africano?

BK: Sim, quero dizer para nós, somos artistas, sabe? Tipo pessoas de esquerda. Queremos tentar fazer coisas para cuidar uns dos outros. Quando se trata disso, não temos muita ganância motivada, estamos motivados pela alegria. Eu acho que essas duas coisas são visíveis quando você olha a política e a história. Algumas pessoas estão mais preocupadas com o lucro do que com a felicidade. Quero dizer felicidade em geral, felicidade para os outros. A felicidade que você pode compartilhar. É realmente complicado porque o mundo agora está mais aberto para muitas coisas do que nunca. É meio assustador o que motiva algumas pessoas.

TDV: Você pode nos contar um pouco mais sobre como você cresceu e como isso influenciou seu interesse pela música?

BK: Cresci a cerca de uma hora da cidade de Nova York. Minha família é ótima, pessoas realmente especiais. Minha mãe é uma americana branca, meu pai é um americano negro. No meu bairro tinham outras crianças mestiças - era aproximadamente cerca de 80% brancos e 20% negros. Para a maior parte, nós conseguimos. Eu não percebi como o resto do mundo funcionava até eu começar a deixar o ninho e viajar para lugares diferentes e conhecer outras pessoas. Eu estava meio protegido e por isso acho que isso me incomoda mais agora.

TDV: De uma perspectiva sul-africana, que é um país muito diversificado racialmente, recebemos muitas grandes bandas de rock que tem predominantemente músicos brancos. É notável que o Incubus é muito mais diversificado com seus membros do que a maioria dessas bandas. Isso é importante para a banda e como ela produz sua música?

BK: Eu sei para mim, é importante. Eu não tinha tantos modelos negros que faziam o que eu queria fazer, tinha modelos brancos. Eu queria tocar guitarra e estar em uma banda de rock e fazer tudo isso. Não era exatamente o normal. Então, se houver alguma chance de nós fazermos isso, e pessoas negras possam nos ver e então se verem fazendo isso, então talvez isso abra possibilidades em suas mentes. Então eu acho que isso é importante. Porque quando você é jovem e não vê ninguém parecido com você fazendo alguma coisa, é difícil se imaginar fazendo também.

TDV: Quais são seus sentimentos pessoais sobre a atual tensão racial e movimentos como ‘Black Lives Matter' nos EUA agora?

BK: Acho que as vidas negras são muito, muito importantes. Eu acho que eles são muito importantes para mim. A maioria da minha família é negra. É difícil dizer algo sobre isso que não chatei as pessoas. As pessoas ficam chateadas em qualquer direção. Se você não é firme o suficiente ou o que quer que seja. Mas eu não sei. As coisas que estão sendo trazidas agora são os primeiros passos para melhorar as coisas. E as coisas estão realmente fodidas. A maneira antiga de se fazer coisas é mais visível - é desagradavelmente visível, e não sou fã disso.

TDV: Todos sabemos na África do Sul o que está acontecendo agora na política dos EUA com a presidência Trump. O Incubus como banda lidou diretamente com questões políticas em sua música. A música e o vídeo de "Megalomaniac" são um bom exemplo. Existe alguma coisa que você queira dizer sobre isso para as pessoas que estão muito preocupadas? Isso influencia sua música?

BK: Oh, sim, isso influencia tudo. É uma coisa que eu odeio ter que pensar. É meio horrível. Não somos fãs de pessoas em posições poderosas que olhem de cima para as pessoas. É inevitável que as pessoas em posições altas olhem para baixo. Mas, eu realmente nunca estive nisso e é meio desagradável.






terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Perguntas e Respostas: Brandon Boyd fala sobre arte com Visi

Entrevista com Brandon para o site Visi da África do Sul. Nessa entrevista ele já dá uma deixa que vem livro novo por aí.


-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Não apenas é apenas líder da famosa banda de rock Incubus, Brandon Boyd também é um artista visual realizado. Além do show da banda em Cape Town na quarta-feira, 28 de fevereiro, Brandon também mostrará seu trabalho na Gallery One11 na Loop Street, em uma exposição pop-up intitulada ‘Opti-Mystic’.

Aqui, ele conversou conosco sobre seu trabalho, influências e por que ele escolheu fazer um contrato musical, ao invés da bolsa de estudos na escola de arte.


Enquanto muitas pessoas conhecem você por sua contribuição para o mundo da música, nem todos estão conscientes da sua paixão de criar arte. Quando você começou a pintar?

Eu tenho feito isso desde que me lembro. Me expressar através de meios visuais e não-verbais foi sempre como eu mais me comuniquei, dos processos complexos e abstratos que estavam acontecendo no meu mundo interior. Houve uma série de fatores que me ensinaram a conhecer o mundo calmamente quando eu era criança, mas o efeito inverso de alguns desses mesmos fatores era um desejo irresistível de compartilhar o que vi, através de desenhos, pinturas e fotografias.

Quando eu era adolescente, algumas portas foram derrubaram para mim espiritualmente, e senti como se eu tivesse finalmente me dado permissão para usar minha voz e cantar e escrever as coisas que eu vi, o que me levou ao caminho pelo qual eu estive nesses quase 27 anos com Incubus. Mas meu amor e apreciação por meios visuais como a pintura nunca diminuíram, eles simplesmente cresciam exponencialmente. Então eu tenho trabalhado nestas modalidades lado a lado o tempo todo.


A arte influencia a música ou a música influencia a arte?

Eles tendem a se informar. Às vezes, eles se espalham simultaneamente, o que deve parecer bastante aleatório se alguém fosse uma testemunha acidental desse processo nebuloso. Provavelmente estou um pouco louco ...


O que o fez você assinar um contrato musical em vez de se inscrever na escola de arte com uma bolsa de estudos?

Houve um breve momento com uma bifurcação na estrada! Mas as circunstâncias começaram a fazer as turnês com a banda parecem a escolha sábia (haha). Só não me falhe a memória, me ofereceram uma bolsa de estudos muito parcial, e provavelmente eu teria entrado em uma enorme dívida estudantil, o que parecia mais perigoso e impulsivo do que entrar em uma van com um monte de angustias e pedidos das nossas músicas por cada bar e quintal na América.


Seu trabalho é uma mistura de retratos, formas e padrões abstratos misteriosos. Como você escolhe o tema?

Sim, nos últimos anos, fiquei um pouco obcecado com o trabalho de linhas compulsivas, se sobrepondo com retratos de aquarela mais figurativos de amigos e amantes. O assunto não foi escolhido tanto quanto ele colidiu. Tenho uma abordagem para o meu processo criativo que não é terrivelmente deliberado. Eu simplesmente faço o meu melhor para criar uma atmosfera e/ou um ambiente que convide momentos inspiradores, pessoas, encontros, etc. no meu pequeno mundo. Então eu sinto que é a minha honra e expressão do meu Amor (no sentido universal/cósmico) expressar minha experiência em cores e som. Espero que faça um pouco de sentido!


O que você mais gosta de criar?

Que pergunta incrível. Mas é difícil de responder especificamente! Farei o meu melhor:

Supondo que, se eu realmente iniciar com o processo criativo, ele começa flertando com idéias que derivam da experiência espiritual. Não é como se você imaginasse o final de uma jornada de um herói, como se fosse para um longo túnel de luz ou vendo seus parentes lhe saudando em portões dourados, não. É mais a oportunidade de olhar para o abismo. Esse vazio infinito que espera, depois do sonho que você teve na noite passada, onde você olha para um fantástico Nada e sorri para a imensidão de um potencial infinito.

Eu quase nunca sei o que eu estou escrevendo uma música, até muito tempo depois de terminar, quase nunca tenho uma imagem clara em mente do que eu quero pintar. Eu simplesmente me deixo ir. Começar. Como uma rendição, como um medium do século 19 com apenas luz de velas, uma almofada e um lápis. Um rabisco e tipo uma psicoterapia, até algum lugar nessa bagunça de sujeira, emerge uma pequena mensagem do que se sente em algum outro lugar, mas provavelmente está em toda parte o tempo todo. É quase, ouso dizer ... diversão (?)

Essa manhã eu li uma observação engraçada sobre arte, de um escritor cujo trabalho eu amei por muito tempo, chamado Tom Robbins. Ele escreveu muitos livros excelentes que você deveria ler: Jitterbug Perfume, Skinny Legs e All, Even Cowgirls Get the Blues, etc.

"Na casa assombrada da vida, a arte é a única escada que não cruza ..."


O que vem aí para Brandon Boyd?

Muitas turnês este ano e trabalhando devagar, mas certamente, no que será o meu quarto livro. Eu adoraria estar em um filme zumbi também. Apenas dizendo…



quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Jose Pasillas: da MTV para a geração YouTube [Entrevista]

Traduzimos uma entrevista que o Jose deu para o site sul africano Texx and the City.


------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Jose Pasillas: da MTV para a geração YouTube 

O baterista fala das músicas que ele gosta de tocar, seus pensamentos sobre o YouTube e os riscos de montar um setlist.

Além de ser um dos bateristas autodidatas mais engenhosos em cena, Jose Pasillas tem um forte impulso empreendedor que o mantém ocupado quando ele não está na estrada com Incubus.

Com duas exposições bem sucedidas, uma linha de roupas e coleção Remo Artbeat, Pasillas conseguiu capitalizar com sucesso sua celebridade, exibindo seu brilho artístico e habilidades em múltiplas plataformas.

Sua voz tranquila com sotaque californiano me cumprimenta do outro lado do telefone e eu passo alguns minutos de fã tiete antes de poder me recompor.

Tecla Ciolfi: Eu li numa entrevista que você deu no ano passado, em que você disse que África e África do Sul estavam na sua lista de desejos. Quando surgiu pela primeira vez a discussão da África ser potencialmente possível?

José Pasillas: Isso foi levantado várias vezes ao longo da última década, mas é um lugar tão difícil de chegar, porque precisamos organizar uma formação de outros shows em torno de lá, para tornar viável financeiramente, por isso nunca tinha sido organizado.
Mas desta vez planejávamos gastar um pouco mais de tempo internacionalmente, então a África do Sul surgiu novamente, e funcionou muito bem, então ficamos super entusiasmados, que finalmente conseguimos fazer com que isso acontecesse. Sabemos que temos muitos fãs lá e desejamos ir há muitos anos.

TC: Eu sei que vocês fizeram turnês com Deftones em 2015 e dois anos antes, eles já vieram para a África do Sul tocar em um dos nossos maiores festivais, eles alguma vez fizeram comentários sobre o país, ou outras bandas já conversaram com vocês sobre como é se apresentar aqui?

JP: Eu lembro de mencionar a África do Sul a Abe [Cunningham] e ele disse que eles tiveram uma experiência incrível, eles foram explorar e fazer um safari ... Eu acho que vamos tentar fazer o mesmo.

TC: Espero que vocês também tenham algum tempo livre quando estiverem em Cape Town.

JP: SIM, minha esposa passou algum tempo lá enquanto trabalhava e ela elogiou.

TC:  Então, como vocês começam a montar um setlist para um país em que vocês nunca estiveram? Quero dizer, eu sei que adoro ouvir faixas de 'S.C.I.E.N.C.E' e 'Morning View', mas pode haver uma pressão para incluir mais singles ... você já teve desentendimentos sobre o que colocar e o que cortar? 

JP: Pra nós, essa é realmente a parte mais difícil de se preparar para fazer turnês. O que normalmente fazemos, é tocar 60, 70, 80 músicas nos ensaios [risos] e então tentamos reduzir para 22, 23 músicas e é muito difícil.

Tentamos tocar uma base com todos as músicas, é apenas um ato de equilíbrio. E algumas músicas não soam tão bem, então também há uma curva de aprendizado. Então, vamos tentando algumas músicas, alguns setists e mudamos a medida que vamos tocando, então, normalmente, no final da turnê, temos uma setlist batendo de verdade [risos novamente], mas é preciso alguns bons shows para ver o que funciona.

TC: Você se vê colocando batidas diferentes em músicas que você toca desde os anos 90? Eu posso imaginar que você também quer manter as coisas frescas para você no palco.

JP: Definitivamente, há um pouco disso. A primeira coisa que fazemos quando vamos ensaiar, é ver como podemos fazer algumas músicas um pouco mais interessantes para nós e para os fãs. Tocamos algumas músicas há mais de 20 anos, temos de mante-las frescas para nós, mas ainda assim tornarmos excitante para os fãs. Nós não queremos mudá-las tanto quanto passa pela cabeça de todos.

TC: Tem alguma música específica que você gosta mais de tocar, por alguma razão específica?

JP: Hmmm, essa é uma pergunta difícil. No momento, tenho me divertido muito tocando as músicas do último disco "8" - todo o disco é realmente divertido de tocar. Mas, em seguida, existem os principais destaques de cada set, outras músicas de discos que são desafiantes para mim são divertidas de tocar, porque nunca envelhecem, então "Sick Sad Little World" seria uma. Eu adoro tocar 'Wish You Were Here', 'Circles', 'If Not Now, When?' é uma música muito lenta e suave e é muito divertida de tocar - tentamos criar um setlist muito colorido com diferentes discos e músicas diferentes.

TC: Você já foi muito citado dizendo que você teve zero treinamento formal de bateria, o que tem seus aspectos positivos e negativos, mas hoje em dia as pessoas podem simplesmente abrir o Youtube, ver um tutorial ou uma batida de bateria de sua música favorita - você pensa que constrói um tipo diferente de músico, talvez uma maneira diferente de se aproximar, pensar e aprender sobre bateria?

JP: Oh, 100%. O nível dos bateristas hoje em dia, comparado com quando eu comecei é um totalmente diferente. Tudo está tão prontamente disponível no Youtube e as crianças que têm 12 anos estão fazendo coisas que eu nunca mais poderei fazer [risos]. E tudo o que eles fazem é assistir seus bateristas favoritos no YouTube e realmente aumentou o nível para quem toca algum instrumento de verdade.

TC: A indústria mudou tanto desde que você se formou e não quero entrar em uma questão de streaming porque ficaríamos aqui o dia todo - mas adoraria saber como você consome música. Como você ouve música quando está em casa?

JP: Eu não tenho capacidade de atenção, então eu amo ouvir uma variedade de música, eu sou um tipo de cara randômico. Quando eu estou no carro com minha filha eu ouço música online, ela ama música pop. É uma combinação dos dois, mas uso muito Pandora e escuto meu catálogo salvo, porque não comprei nada de novo há algum tempo, mas sim, é assim que a música me move até hoje.








Música nova em 2018

Boas novas! De acordo com a micro entrevista que Brandon deu para o site Rock 947, vai ter música nova esse ano.

"Estamos trabalhando em algumas músicas novas”

Eles ainda não tem certeza em que formato esse material será lançado. Poderá ser como um EP (como o Trust Fall side A) que foi lançado em 2015 ou talvez como singles. Mas ele garante que independente do formato, será lançado em algum momento desse ano.

“Com certeza sairá algum material musical novo dessa banda em 2018”

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Entrevista traduzida do Ben para Rolling Stone Indiana

Traduzimos uma entrevista com o Ben, para a Rolling Stone India nesse fim de semana, onde a banda tocou pela primeira vez, no festival Vh1 Supersonic, em Pune (setlist do show aqui).

Acompanhe também a "8 Tour" pela nossa página do facebook.


-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Incubus: ‘É como se fossemos garotos outra vez’


O baixista dos veteranos do rock, Ben Kenney fala sobre vir para India, achar novos ritmos em seus processos e empregos do dia a dia.


Falta cerca de meia hora para banda de rock alternativo da Califórnia, Incubus, subir ao palco no ‘Vh1 Supersonic em Pune’, fazendo sua longa e aguardada estréia na Índia, como parte de uma turnê mundial de um mês. Um grupo de músicos locais de dhol estão do lado de fora do camarim, o baixista Ben Kenney, o dj Chris Kilmore e o vocalista Brandon Boyd saem para começar um pré-festa. Com a bateria no volume total, os percussionistas locais fazem Boyd e Kilmore assumir os instrumentos e aumentarem as batidas e todos têm uma memória da Índia agora.

E para os fãs que estavam esperando, o Incubus fez do último dia do festival multi-gênero também memorável. Eles tocaram a maioria das músicas de seu último álbum ‘8’, que lançaram no ano passado, e conseguiram com que todos cantem junto, músicas como "Drive", "Pardon Me" e "Wish You Were Here", a última até incluiu uma tirada de chapéu para a música do Pink Floyd de mesmo nome.


Antes do show e apenas alguns minutos antes de se envolver no improvisado desempenho (com os músicos de dhol) nos bastidores, Kenney falou exclusivamente com a Rolling Stone India sobre a atual série de shows, a relevância de uma música como "Megalomaniac" e estar em uma banda de rock.



Como é vir para a Índia?

Ah cara, é ótimo. Demorou muito tempo para estarmos aqui, mas finalmente estamos fazendo a turnê e passando por aqui. Nessa mesma viagem, também vamos visitar a África do Sul pela primeira vez e o Alasca, na volta aos Estados Unidos. Então, há alguns 'primeiros' aqui, muito atrasados.

Vocês tiveram uma série de shows em Las Vegas que foram cancelados após a madrugada de 1º de outubro de 2017. Como foi voltar lá?

É legal. Nós fizemos dois shows no início dessa turnê e nós conseguimos ver algumas pessoas que já tinham planejado tudo para nos ver nos shows e tiveram que mudar de planos. É tipo de partir o coração quando algo assim acontece, mas, felizmente, vamos voltar e conseguir outro balanço disso. Nós realmente recebemos os primeiros respondentes (para o show). Pessoas que estavam lá quando tudo aconteceu, estavam agora no festival e conhecemos alguns deles antes de tocarmos. Isso foi muito legal.

Estando em uma banda de rock, Mike (Einziger, guitarrista) disse que não sabia o que mais poderia conseguir. Como é estar em uma banda de rock no momento? Existe alguma sensação de medo?

Uma coisa legal é que, falando por mim, estou envelhecendo e eu me importo cada vez menos sobre todo o resto (risos). Mas é especial. Não há muitas bandas de rock. Bem, há muitas bandas de rock, mas não há muitos que façam turnês e paguem suas contas e conseguem fazer o que fazemos no tamanho que conseguimos fazer. Nós fazemos grandes shows e temos muitos fãs e apoio - isso não é mais comum. Todos reconhecemos que é raro e tentamos tratá-lo de forma tão especial quanto isso é. Além disso, é bom estar em uma banda de rock em um momento em que todos não estão fazendo isso. Você diz: "Está tudo bem, ainda estamos fazendo isso".

O que você já ouviu sobre a Índia antes de chegar aqui?

Eu ouvi falar de ... Eu não conheço ninguém que veio aqui e tocou além de Mutemath. Eles são nossos amigos e já fizemos turnê com eles há cerca de seis anos. Eu tento manter minha mente tão aberta quanto possível, especialmente quanto mais longe estiver da cultura americana ou seja o que for. Eu apenas tento ser humilde e observador até chegar a hora de tocar.

Quando "Megalomaniac" foi lançada em 2004, muitas pessoas pensaram que era sobre George W. Bush. Sinto que é mais apto para o atual presidente americano, certo?

Você sabe, acho que vai ser uma coisa ao longo da história. O idiota que vem e pensa que todos trabalham para ele e que realmente não se importa com a vida humana. Isso é algo comum que acontece (risos). Provavelmente, quem é essa pessoa hoje, não é o última.

Vocês tocarão em festivais de verão dos EUA depois que a turnê terminar em março. O que mais você vai fazer?

Eu não sei. Tudo a partir desse momento é realmente bom. Estamos gostando de viajar juntos e espero que possamos fazer mais música, acho que faremos. Sinto que faremos tudo o que pudermos para manter ... não ter que conseguir um trabalho real.

Mesmo agora?

Sim (risos), mesmo agora. Especialmente agora.

Você tem medo de trabalho diário?

Hmm, sim, com certeza. Requer disciplina, que eu não acho que tenho.

E o resto dos caras da banda? Você olha para eles e pensa: "Sim, eles vão ficar bem em um escritório"?

Eles podem dizer que sim, mas eu não acredito nisso. A tinta secou sobre nós.

Como você define esta turnê mundial?

Nós tocamos muito juntos. Nós gastamos muito tempo fora de casa - na verdade, temos apenas um quarto, um estúdio dedicado para nós mesmos em Los Angeles pela primeira vez na história da banda. Não vamos a nenhum outro estúdio. Este é o nosso lugar. Desde que conseguimos, nós estivemos lá quase todos os dias, tocamos e realmente tocamos até o ponto em que quase ficamos sem tempo para ensaiar porque estávamos muito ocupados tocando e gastando tempo. Nós nos divertimos muito. Esta noite, espero que isso apareça, porque é como se fossemos garotos de novo.